Invest Barbados Your place is here...Grow with Us!

 

Barbados Pode se Tornar o Centro de Blockchain / de Fintech da Região


2019-04-09 00:00:00

por Deirdre Craigwell-Gittens, Advogada, Gerente Fiscal e Jurídica, Deloitte
 
Em vista das mudanças rápidas que têm ocorrido no cenário global de negócios, Barbados está bem posicionada para continuar a ter um papel importante no espaço dos negócios internacionais. O país possui uma reputação por sua estabilidade e integridade, um setor de bancos comerciais bem estabelecidos e regulados, um alto padrão de vida e tecnologia moderna. Além disso, Barbados está tomando medidas para melhorar o seu potencial como centro para novas tecnologias na área de serviços financeiros (“fintech”).

O novo jargão no mundo da tecnologia é “blockchain” (o protocolo da segurança), embora muitas pessoas não saibam com certeza o que o termo significa de fato e como o blockchain funciona. Em termos simplificados, o blockchain é um livro-razão digital, descentralizado e distribuído, o qual fornece uma forma das informações serem gravadas, compartilhadas e mantidas por uma comunidade. O blockchain se caracteriza por funcionar em tempo quase real, confiável e disponível, transparente, irreversível e imutável. Ele é a tecnologia que apoia as criptomoedas como o bitcoin e os serviços financeiros do setor têm adotado esta tecnologia desde muito cedo, com investimentos correntes significativos e atividades no blockchain.

A tecnologia de blockchain tem o potencial de mudar a forma com que indivíduos vivam o seu dia-a-dia, a forma como as empresas interagem umas com as outras, a transparência dos processos e dos dados e, no final das contas, os métodos e a produtividade de se fazer negócios em Barbados.


Este artigo explica por que Barbados provavelmente continuará a ser relevante e como poderá se tornar o centro de blockchain da região no futuro próximo. Para contextualizar estas afirmações, é de valia que se considere o que está ocorrendo em outros países.

A Suíça é vista como um dos maiores centros de fintech do mundo e o governo e os principais elementos-chave se esforçam para facilitar o ato de se fazer negócios no país. Por exemplo, um dos principais desafios que as companhias de criptomoedas enfrentavam era a capacidade de se abrir e manter contas bancárias na Suíça. Como resposta, a Associação dos Banqueiros da Suíça compilou uma lista de verificações razoáveis e condições que, uma vez satisfeitas, permitiriam que os bancos abrissem contas para estas companhias. Malta também procura ser um centro de blockchain. O país reagiu às tendências em desenvolvimento no cenário financeiro e criou uma estrutura para as tecnologias de criptomoedas e de livros-razão distribuídos. O governo permitiu que entidades de blockchain operassem em Malta através do estabelecimento de uma legislação de apoio.

Barbados já é um dos atores no espaço de blockchain, sendo o lar da Bitt Inc., uma companhia de tecnologia financeira que utiliza as tecnologias de blockchain e de livro-razão distribuído para facilitar as transações seguras de ponto-a-ponto com moeda móvel através de um conjunto integrado entre seu software e os aplicativos móveis. A Bitt é reconhecida como uma história de sucesso e os seus fundadores já deram consultorias para várias companhias e governos da região do Caribe. Em 2016, a companhia com sede em Barbados cresceu depois de atrair um investimento substancial dos EUA para ajudar a construir um ecossistema financeiro na região.

A reputação e a rede de tratados fiscais de Barbados atraíram uma onda de novas companhias de blockchain durante os dois últimos anos, especialmente as vindas do Canadá. Uma destas entidades é a Polymath, uma companhia domiciliada em Barbados, a qual está envolvida em atividades com plataformas de segurança e que emite os seus próprios tokens (chaves eletrônicas) conhecidos como POLY. Em 2018, a Polymath e a Bolsa de Valores de Barbados (BVB) entraram em um acordo de parceria para a listagem de títulos digitais criptografados na BVB, os quais podem propelir a BVB a novos níveis em suas atividades de negociação de títulos. As companhias de blockchain fizeram uma investida para se tornarem patrocinadores listados na BVB: em agosto de 2018, a Coin Start Ltd (Coin Start) se tornou a primeira companhia de tecnologia a ser listada como patrocinador no Mercado de Valores Mobiliários Internacionais (MVMI). A Coin Start ingressou na BVB para promover as listagens de tokens no MVMI.


Para se beneficiar destes desenvolvimentos, Barbados poderia considerar a introdução de uma zona de tecnologia (T-Zone) para atrair companhias da área de tecnologia da informação e fornecer a elas incentivos fiscais e um regime legal especial. As atividades incentivadas na T-Zone poderiam incluir o desenvolvimento de plataformas de inteligência artificial, de tecnologias médicas, de software e de hardware de blockchain, de plataformas de criptomoedas e de outros sistemas distribuídos de informações descentralizadas, além da prospecção de criptomoedas.

O governo novo, formado depois das eleições de maio de 2018, indicou que pretende estabelecer uma estrutura legal que habilite a legalização de atividades econômicas baseadas em blockchain e que promova o uso de criptomoedas e de outros tokens. Estes pronunciamentos geraram entusiasmo e investidores em potencial e fornecedores de serviços estão aguardando avidamente por este ambiente regulatório progressivo.


Além disso, o conhecimento e a disseminação de informações sobre o blockchain estão começando a se firmar em Barbados. Seminários, oficinas e comitês continuam este diálogo. A disponibilidade limitada de programadores qualificados com experiência em blockchain está sendo abordada através de um treinamento na Universidade das Índias Ocidentais, Campus de Cave Hill, facilitada pela IOHK, uma companhia de pesquisa e de desenvolvimento de blockchain. Espera-se que este programa ajude a fornecer os especialistas em blockchain que estão em grande demanda em Barbados.

A proposta de valor de se fazer negócios em Barbados é muito forte. Os esforços do país para abraçar completamente as novas tecnologias e para criar uma mescla sólida de atributos de negócios e da comunidade de blockchain, junto com a atratividade regulatória e a eficiência fiscal deveriam aumentar o seu potencial para permanecer relevante no âmbito internacional.

Somente cinco anos depois de fundarem a Bitt Inc. em conjunto, os jovens empreendedores barbadianos Gabriel Abed e Oliver Gale já são lutadores experientes na arena de fintech, depois de abrirem caminho em meio a montanhas de armadilhas burocráticas e enfrentarem a resistência do setor bancário tradicional para se estabelecerem firmemente como pioneiros líderes na revolução tecnológica financeira mundial.

Assim como a maior parte das jovens start-ups, Gabriel e Oliver sofreram para continuarem financeiramente viáveis, especialmente quando as criptomoedas passaram por dois anos de recessão. Com a companhia literalmente à beira do colapso, o salvador deles revelou ser um investidor de Trinidad, Peter George, da Avatar Capital, o qual investiu corajosamente os seus primeiros US$ 400 mil na companhia, apenas com base em uma única apresentação de grande impacto do projeto da companhia. Refinanciada e reforçada, a Bitt se expandiu rapidamente e, passo a passo, começou a vencer as várias barreiras regulatórias que continuamente obstruíam o seu caminho.


Em fevereiro de 2016 Gabriel e Oliver fizeram história quando a Bitt lançou o dólar digital de Barbados, a primeira moeda corrente oficial da história a ser atrelada a uma de blockchain. Esta conquista transformacional sem precedentes levou as estrelas das criptomoedas do mundo a começarem a prestar atenção na companhia, entre elas o Dr. Patrick Byrne, o conhecido empreendedor dos EUA, Diretor Executivo e fundador da Overstock.com, o qual fez um investimento inicial de US$ 4 milhões na Bitt, seguidos de outros US$ 3 milhões em março de 2018. De forma significativa, a Overstock foi a primeira companhia listada publicamente na bolsa e a primeira companhia com valor acima de 1 bilhão de dólares a aceitar o Bitcoin como forma de pagamento.

Além de ter lançado com sucesso o mMoney em Barbados, um app de dinheiro móvel que opera de forma similar a um cartão de débito, mas através do smartphone do usuário e que também tem a capacidade de receber dinheiro, a Bitt se engajou junto a Bancos Centrais de todo o Caribe para fornecer este mesmo serviço a eles. No fim das contas, o mMoney permitirá que os usuários completem as suas transações em seus dispositivos móveis e que antes eram tradicionalmente feitas somente através de bancos. Este tipo de ruptura positiva é o principal objetivo para uma empresa que foi concebida como uma companhia de blockchain que poderia fazer a diferença, ao invés de ser somente mais uma forma de se ganhar dinheiro.

De acordo com Gabriel e Oliver, “agora a Bitt é uma companhia dirigida belamente, com uma equipe de gerenciamento incrível liderada pelo Diretor Executivo Rawdon Adams”. Esta estabilidade dentro da companhia permitiu que os dois visionários dessem um passo lateral, mantendo os seus cargos na Diretoria e trabalhando em uma função de assessoria, mas com a liberdade renovada para buscar de forma independente os seus mais novos empreendimentos.

Fique ligado para saber mais em breve!

Fonte: Business Barbados de 2019